Jovens brasileiros entre 18 e 29 anos mostram desinformação e preconceito, aponta pesquisa


Desinformação e preconceito. É o que aponta pesquisa realizada para traçar o perfil e o comportamento de jovens brasileiros entre 18 e 29 anos. Segundo o levantamentoJuventude, Comportamento e DST/AIDS, o machismo ainda está muito presente entre os jovens, principalmente os homens.
 
O cenário é comprovado quando abordados aspectos referentes à violência contra a mulher. De acordo com a pesquisa, mais de quatro em cada dez jovens nessa faixa etária acreditam, total ou parcialmente, que mulheres que se vestem de forma insinuante não podem reclamar se sofrerem violência sexual e pouco mais de 10% são indiferentes a esse tipo de violência.
 
Além disso, pouco mais de 9% dos entrevistados concordam ou são indiferentes ao fato de um homem agredir uma mulher porque ela não quis fazer sexo e pouco mais de 11% têm a mesma opinião com relação a homens que batem na parceira que o traiu.
 
Perfil
Entre os jovens entrevistados, apenas 30% estudam e 56% já foram reprovados no colégio. Mais da metade são católicos e, quase um terço, evangélicos. De cada dez, seis acessam a internet com frequência e cinco navegam pelo menos duas horas por dia.  A maioria perdeu a virgindade entre os 14 e os 18 anos, 10% ainda não tiveram relação sexual, 95% se declararam heterossexuais, 3% disseram ser bissexuais e os 2% restantes, homossexuais.
 
AIDS
A edição da pesquisa divulgada em 2012 mostrou que quatro em cada dez jovens brasileiros acham que não precisam usar camisinha em um relacionamento estável. Além disso, três em cada dez ficariam desconfiados da fidelidade do parceiro caso ele propusesse sexo seguro.
 
Os dados mostraram, ainda, que os jovens brasileiros desconhecem de informações básicas a respeito da doença, já que um em cada cinco acredita ser possível contrair o HIV utilizando os mesmos talheres ou copos de outras pessoas e 15% pensam que enfermidades como malária, dengue, hanseníase ou tuberculose são tipos de DST. No ano passado, a pesquisa foi divulgada no dia 1º de dezembro, Dia Mundial de Luta contra a AIDS.
 
Pesquisa
Encomendada pela Caixa Seguros, a pesquisa foi aprovada pelo Comitê de Ética da Faculdade de Medicina da Universidade de Brasília (UnB) e feita com o acompanhamento da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) e do Departamento de Doenças Sexualmente Transmissíveis e Aids (DST/Aids) e Hepatites Virais do Ministério da Saúde.
 
Foram entrevistados 1.208 jovens entre 18 e 29 anos em 15 Estados e no Distrito Federal, sendo 55% mulheres. Os critérios da coleta de dados, feita em 2012, são semelhantes aos adotados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Agência CNM, com informações da Agência Brasil